terça-feira, 15 de março de 2011

Pega e abre a jenela, as cortinas voam com o vento que vem da rua.. olha e vê os prédios, os carros, buzina, barulho, barulho... fluir de pensamentos fugitivos.. estranhamento..as gotas da chuva molham o rosto, tomado de abandonamento, e se misturam com as lágrimas vermelhas. E deixa molhar a casa.. deixa o vento revirar os quadros na parede, desfolhar os livros, balançar as fotografias no varal em revelação.. a casa cheia de folhas ora jogadas ao chão ora voando pelo ar. O vento para, a janela fecha, rápido. Acho que é a vida, dizendo que é maior do que meus sonhos mais infinitos, que tem camas elásticas no fundo pra amortecer o salto.. mas não sede a mão que empurra nas costas.. empurra pra frente. E permanece assim, permanece ali.

Permanece.

Um comentário:

  1. Good very very good.
    you are a special person
    I like that...like so much

    H.C. de Souza

    ResponderExcluir